Blitz Amazônico
CidadaniaCidadaniaPrefeitura de Manaus

Prefeitura discute combate à sífilis em webconferência para profissionais da atenção primária de Manaus

A Prefeitura de Manaus promoveu uma discussão sobre o combate à sífilis no município, com foco na congênita, durante uma webconferência, na tarde desta quarta-feira, 26/10, voltada a profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS).


A atividade integra a programação semanal do “Diálogos na APS”, estratégia da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) para manter a educação permanente e contínua dos servidores.

O encontro virtual foi transmitido da sede da Escola de Saúde Pública (Esap), e contou com a participação da gerente de Vigilância Epidemiológica da Semsa, Cláudia Rolim; da responsável técnica pela área de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), Sífilis e Transmissão Vertical, Ylara Costa; a médica Fabíola Santos, da Estratégia Saúde da Família (ESF); e da mestre em Saúde Pública, Andréa Beltrão, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).
Cláudia Rolim informou que a sífilis se tornou um problema de saúde pública que exige ações de enfrentamento coordenadas e potencializadas, com ênfase em ações de prevenção. Por conta disso, o tema da web foi “Fortalecendo o papel da Atenção Primária no Combate à Sífilis e a Sífilis Congênita”, e contou com mais de 60 participantes.
A enfermeira Ylara Costa explicou que a sífilis é causada pelo Treponema pallidum, e pode ser transmitida por meio da relação sexual (adquirida ou em gestantes) ou da transmissão vertical, da mãe para o feto (congênita).

“As três formas podem ser evitadas, mas seguramente podemos erradicar a sífilis congênita por meio do diagnóstico precoce da sífilis na gestante e com a oferta do tratamento adequado e em tempo oportuno, pois a doença possui cura”, disse.

Ylara apresentou aos servidores o cenário epidemiológico dos diferentes tipos de sífilis em Manaus, com a realidade de cada Distrito de Saúde (Disa) Norte, Sul, Leste, Oeste e Rural, os critérios de definição de caso, e a notificação de novos casos de sífilis.

A médica Fabíola Santos explanou sobre a testagem de sífilis nas unidades básicas, a classificação clínica da doença, diagnóstico, sintomas, tratamento, entre outros pontos.
“Quero agradecer o convite de participar mais uma vez do ‘Diálogos na APS’. Sou médica da Atenção Primária e entendo o que os servidores enfrentam no dia a dia para tentar quebrar a transmissibilidade da doença, e hoje vim contribuir para a gente fazer essa troca de experiências”, declarou.
Sífilis congênita

A enfermeira Andréa Beltrão, mestre em Saúde Pública, teve sua fala com foco na sífilis em gestantes e sífilis congênita. “Existe essa necessidade de intervenções em diferentes níveis de atenção e diferentes ciclos de vida da mulher, para impedir que a grávida e o bebê sejam infectados pela doença. O pré-natal de qualidade é uma das principais ferramentas no combate ao problema, quando a gestante deve fazer o rastreio de HIV, sífilis e hepatites virais”, disse.
Andréa, que também atua na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), lembrou que a sífilis é uma doença muito antiga, cuja bactéria foi descoberta em 1905, e no ano seguinte já havia testes para seu diagnóstico. O tratamento eficaz, que garante a cura, foi desenvolvido em 1941 e é usado até os dias de hoje.
Com o objetivo de contribuir para a mudança do cenário epidemiológico atual, a Semsa realiza durante todo ano atividades educativas, testes rápidos nas unidades básicas e na comunidade, além da distribuição de preservativos masculino e feminino. Essas ações serão intensificadas durante o mês de outubro, por conta da Campanha Nacional de Combate à Sífilis e a Sífilis Congênita.

Post Relacionado

CRA ampliará debate do projeto que altera Lei dos Agrotóxicos

Redator

Prefeitura recebe comunidades para discutir melhorias no transporte

Victória Farias

Serviços de limpeza da prefeitura na área do Distrito Industrial são elogiados na reunião do CAS

Victória Farias