Blitz Amazônico
CidadaniaCidadaniaManaus

Manaus 353 anos: Saneamento na capital garante saúde e renda para a população

Desde sua criação, no ano de 1.669, Manaus já passou por muitas transformações e avanços.


Hoje, quando celebra seus 353 anos, a sétima maior cidade do País é uma grande referência em diversos setores da região Norte. Um deles, é o saneamento básico, onde os investimentos realizados estão garantindo novas perspectivas para a população local, fazendo a diferença nas vidas das pessoas que moram aqui.

Apesar de ser uma cidade cercada de água por todos os lados, fazer com que o líquido chegue às torneiras dos moradores de Manaus, de forma potável, é um desafio diário. Nos últimos quatro anos, a concessionária Águas de Manaus investiu em melhorias operacionais, estrutura e hoje, através de um rigoroso controle de qualidade, consegue captar, tratar e distribuir uma água própria para o consumo humano. E isso pode ser comprovado pelas pessoas que utilizam a água no seu dia a dia, nos mais diversos setores.

“Levar água para a população de Manaus e fazer com ela retorne à natureza, livre de contaminação, é a nossa grande missão. Deixar o legado do ciclo harmônico da água na cidade e melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH – é o nosso presente para esta cidade cheia de pessoas tão acolhedoras e lugares encantadores”, destacou o presidente da Águas de Manaus, Thiago Terada.

Saúde

Em uma das áreas onde a qualidade de água é fator indispensável, é a Águas de Manaus que garante que pessoas que buscam serviços de saúde tenham este item garantido. Localizado no bairro Praça 14, o Centro de Doenças Renais atende atualmente de 220 pacientes, que estão em tratamento de hemodiálise. O processo consiste na filtração e limpeza do sangue que é realizado pelo rim. Por isso, a potabilidade da água é primordial, uma vez que este é um dos procedimentos mais delicados da clínica.

“Antigamente, quando usávamos água de poço, tínhamos muito trabalho para poder manter os parâmetros de qualidade. Desde que mudamos para Águas de Manaus, nós tivemos uma mudança radical, pois recebemos uma água com o PH ideal para o tratamento e clorada, ou seja, livre de microrganismos. E a partir disso, podemos utilizá-la em todos os nossos processos na clínica”, destacou o técnico de equipamento hospitalar e que trabalha no ramo há 15 anos, Marivaldo Moura. A clínica atende pacientes de convênios e do Sistema Único de Saúde (SUS).

A água distribuída pela concessionária é utilizada também em grandes unidades de saúde, como o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e o Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz. Neste último, a Águas de Manaus instalou recentemente um painel de controle e automação, e, com isto, passou monitorar 24h por dia, sem interrupções, o sistema de abastecimento de água da unidade hospitalar, através do Centro de Controle Operacional (CCO).

A tecnologia agregou melhorias no abastecimento de água no hospital. “Passamos a monitorar os status de pressão, de nível e de alimentação da água no reservatório. A partir de então o hospital passou a contar com o monitoramento 24h pelo CCO, mantendo o abastecimento contínuo para a unidade hospitalar“, destacou o diretor-executivo da Águas de Manaus, Diego Dal Magro.

Qualidade de vida

No setor da indústria, a chegada da água tratada também está fazendo a diferença. Na empresa de embalagens PCE, que tem em seu quadro funcional cerca de 500 colaboradores, o índice de afastamento por causa de doenças de veiculação hídrica, como diarreia e dor de barriga, reduziu em até 90% depois que a empresa passou a utilizar a água fornecida pela concessionária.

“Nossa mão de obra era prejudicada por conta destas ocorrências. Depois que começamos a receber a água da concessionária, tivemos uma melhora significante na produção, além de reduzirmos a quantidade de colaboradores doentes, reduzimos também dos gastos com remédios. Posso afirmar, com toda certeza, que a qualidade de vida de todos melhorou”, disse o supervisor de utilidades, Darclei Ribeiro.

Comunidade

Moradora da comunidade Cidade Alta, que fica no bairro Jorge Teixeira, zona Leste da cidade, a dona de casa Maria Socorro da Silva Dantas é um exemplo típico da mulher manauara, que luta por dias melhores e não vê obstáculos para seguir seus sonhos. Para sustentar a família, ela faz comidas para vender em “quentinhas” e conta que a chegada da água potável viabilizou a fonte de renda da casa, sobretudo por ter sido incluída na Tarifa Manauara, que é o benefício social da concessionária que concede desconto de 50% na fatura de água e esgoto.

“Hoje eu tenho água limpa para fazer a comida, para limpar os alimentos e lavar as louças. Faço tudo com a certeza de que estou oferecendo uma comida livre de contaminações. A chegada da empresa aqui na comunidade transformou a nossa vida até mesmo porque fomos colocados no Tarifa Manauara. Devemos a melhoria da nossa vida à Águas de Manaus”, disse a dona de casa, que também aproveita a qualidade da água para produzir dindins e aumentar a renda.

Legado

Desde que chegou na cidade de Manaus, a concessionária já transformou a realidade da cidade. Com implantação de mais de 150 mil quilômetros de rede de distribuição de água, a empresa chegou a locais como becos, palafitas e rip raps, beneficiando mais de 130 mil pessoas. A rede de esgotamento sanitário também deu um grande salto em 40% e hoje mais de 50 milhões de litros de esgoto são tratados e devolvidos à natureza livres de contaminações.

Além disso, a Águas de Manaus também trabalha para melhorar o IDH da cidade, contribuindo para o desenvolvimento em áreas como saúde, educação e na geração de renda. “Levamos para a população de Manaus saneamento em conjunto com ações que visam o bem-estar de todos. Temos programas que atendem diretamente moradores de áreas vulneráveis e que geram oportunidades de desenvolvimento socioeconômico, impactando e transformando vidas. Estes benefícios já são colhidos hoje, mas também poderão ser percebidos a longo prazo”, ressaltou Terada.

Com investimentos robustos, Manaus irá crescer significativamente nos próximos anos. “Levamos água para locais de difícil acesso, como em becos, rip raps e palafitas. Agora nosso desafio é ampliar a rede de esgoto e, desta forma, garantir que o ciclo da água seja realizado por completo. Este é o nosso legado para a cidade”, finalizou Diego Dal Magro.

Post Relacionado

Senador Omar e bancada do Amazonas recorrem ao STF para suspender novo decreto que prejudica a Zona Franca

Redação

Boletim epidemiológico da Covid-19 no Amazonas é atualizado pela FVS-RCP, nesta sexta-feira (14/01)

Victória Farias

Labsonora anuncia artistas selecionados para imersão artística na Amazônia

Shayenne