Blitz Amazônico
Cidadania

GOVERNADOR DO ESTADO PREFERE EXPANDIR BUMBÓDROMO AO INVÉS DE CONTER CRISE DE ÁGUA EM PARINTINS

Enquanto o Amazonas se prepara para enfrentar uma das piores crises de estiagem da sua história recente, a população de Parintins é presenteada com uma notícia de tirar o fôlego – e não é pela falta d’água. Na última sexta-feira (28), o governador do estado anunciou, em grande estilo, a tão aguardada ampliação do Bumbódromo. Sim, o mesmo Bumbódromo onde Caprichoso e Garantido duelam no Festival de Parintins. Parece que a prioridade do momento é garantir mais espaço para a torcida e não para os reservatórios de água.

E qual o melhor momento para uma coletiva de imprensa do que durante o intervalo entre as apresentações dos bois na primeira noite do evento? Nada como aproveitar um público já engajado e, claro, a presença massiva da imprensa. Realizada no intervalo das apresentações dos bois, contou com a presença de figuras ilustres como Marcelo Freixo, do governo federal, e os bolsonaristas Débora Menezes e Delegado Péricles, que tiveram que engolir elogios ao presidente Lula enquanto sorriam amarelo. O prefeito de Parintins, Bi Garcia, também estava lá, mas parecia ter esquecido sua voz em casa. Quem roubou a cena foi a vereadora e pré-candidata a prefeita Brena Dianná, do grupo do governador, que circulava confiante entre as lideranças políticas.

Segundo o governador do Amazonas, a obra está prevista para começar em 2026. Até lá, haverá um edital para a contratação da empresa responsável pelo projeto, além de reuniões com a Prefeitura de Parintins, a diretoria dos bois e, claro, artistas do festival. A população de Parintins também será consultada, porque nada é mais importante do que ouvir o povo… depois de já ter anunciado tudo, é claro.

A reforma promete aumentar a capacidade do Bumbódromo para 26 mil pessoas, ampliar o espaço das “galeras” (as torcidas dos bois que entram gratuitamente e contam pontos na apuração), e incrementar áreas de venda de ingressos e camarotes. Como se isso não fosse suficiente, um telão de LED será instalado no alto da arena, e toda a iluminação e sistema de som serão modernizados. Afinal, se é para gastar, que seja em grande estilo.

Estiagem no Amazonas

Mas, enquanto a elite política discute os detalhes da reforma, a realidade bate à porta. O Amazonas pode enfrentar uma seca severa, e especialistas já alertam para os impactos devastadores na navegabilidade dos rios, na economia local e no abastecimento de energia e água potável. A população, especialmente nas áreas mais isoladas, sofre com a dificuldade de locomoção e a escassez de recursos básicos.

Nos últimos 12 meses até abril deste ano, o Monitor de Secas da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico registrou um déficit de 27% nos volumes de chuvas. Segundo o superintendente de Operações de Eventos Críticos, Alan Vaz Lopes, os níveis de água e a vazão dos rios da Amazônia, embora tenham grandes volumes, são muito sensíveis à falta de chuvas. “Um pequeno déficit de chuva em determinado momento provoca uma grande redução de níveis de água e de escoamento dos rios. É por isso que a gente vê rios enormes tendo uma redução muito rápida nos níveis de água”, explica Lopes.

Para a Agência Brasil, especialistas dizem que os efeitos mais imediatos da seca severa podem afetar de forma intensa a navegabilidade nos rios. “Principalmente as populações mais isoladas são afetadas, porque, com rios sem navegabilidade, passam a enfrentar dificuldade de locomoção para aquisição de material de consumo”, explica Flavio Altieri, analista do Censipam. A economia da região também poderá sofrer problemas. Somente nos rios Solimões, Amazonas, Madeira e Tapajós, há 4.695 quilômetros de hidrovias, pelas quais foram transportadas, no ano passado, 78,2 milhões de toneladas de cargas, somando 55% do que foi movimentado dentro do país dessa forma.

O abastecimento de energia do país é outro setor sensível, já que a região concentra 17 usinas hidrelétricas responsáveis por 23,6% do consumo no Sistema Interligado Nacional. Embora outras estruturas de geração possam suprir uma eventual interrupção, o remanejamento sempre causa algum impacto para o país. A sazonalidade da seca na Amazônia ocorre em etapas desiguais na região. Portanto, os indicativos variam conforme o período de estiagem, que costuma atingir o ápice nos meses de setembro e novembro.

A realidade da estiagem

Os moradores e visitantes que participaram do 57º Festival Folclórico de Parintins, de 28 a 30 de junho, e que permaneceram na cidade para as festividades seguintes, enfrentaram a falta de água. O problema começou uma semana antes do festival, gerando muitas reclamações. A cidade não suportou o alto consumo devido ao aumento populacional, com cerca de 120 mil visitantes durante a semana do festival. O despreparo deixou turistas insatisfeitos e moradores indignados.

Além de lidar com a água contaminada, eles tiveram de conviver com a escassez do produto ou mesmo com a pressão reduzida. Muitas pessoas ficaram sem água e enfrentaram dificuldades para tomar banho, escovar os dentes e preparar os alimentos. Relatos dos brincantes e publicações em redes sociais indicaram que diversas torneiras em alguns pontos da cidade não tiveram abastecimento de água adequado. “Várias vezes faltou água e energia na cidade. Eu mesma e outras pessoas tivemos que sair da casa e procurar outro lugar para tomar banho. Teve muita gente tomando banho de camburão”, afirmou a advogada Vanessa Sampaio.

De acordo com o vereador Massilon Cursino (PSB), a população sofreu com a falta de serviços básicos, como água e energia. “Por diversos dias, moradores e turistas tiveram dificuldade para ter acesso ao serviço de abastecimento de água, principalmente nos bairros do Palmares, Nossa Senhora de Nazaré e São Vicente. A água ainda está muito fraca e não tem força para abastecer as caixas d’água de forma suficiente”, declarou Massilon.

Extraído do site AMAZÔNIAPRESS 

Post Relacionado

Jogadores acusados de estupro aparecem invadindo quarto de modelo amazonense

Shayenne

Pai tenta impedir prisão do filho usando escavadeira para ameaçar policiais

Shayenne

CAE aprova isenção de imposto para materiais de fotógrafos e cinegrafistas profissionais

Redator