Blitz Amazônico
CidadaniaCidadaniaPrefeitura de Manaus

Prevenção à sífilis congênita é um dos temas de campanha nas UBSs da prefeitura

Reduzir os riscos de sífilis congênita, quando crianças nascem com a doença transmitida da mãe para o bebê durante a gestação, é um dos focos da campanha executada pela Prefeitura de Manaus durante o mês de outubro, em alusão ao Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita, que este ano será celebrado no dia 15 de outubro.
A campanha é organizada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), com o apoio dos Distritos de Saúde (Disa) Norte, Sul, Leste, Oeste e rural, estimulando a população para a realização do teste rápido para a sífilis, realização do pré-natal e o uso de preservativos masculinos e femininos.
A gerente de Vigilância Epidemiológica da Semsa, Cláudia Rolim, explica que a sífilis congênita é um agravo evitável quando a gestante realiza pré-natal de forma correta e faz os exames para detecção da sífilis, assim como o tratamento em tempo oportuno, e com a utilização de preservativos.
“A rede municipal conta com 194 unidades de saúde que oferecem o teste rápido de sífilis, procedimento de fácil execução, com leitura do resultado, no máximo, em 30 minutos, sem a necessidade de estrutura laboratorial. A recomendação é que as pessoas sexualmente ativas façam o teste para sífilis rotineiramente e que todas as gestantes e suas parcerias sexuais realizem o exame”, destacou Cláudia Rolim.

Nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), quando a gestante realiza o pré-natal, a orientação é que o exame seja feito na primeira consulta, preferencialmente ainda no 1º trimestre de gravidez, com um novo exame no 3º trimestre da gestação, assim como no parto, independentemente dos resultados de exames anteriores, e também em caso de aborto.
“A sífilis congênita acaba ocorrendo quando a gestante não faz o pré-natal, não realiza os exames recomendados para o diagnóstico ou não faz no tempo adequado para evitar que o bebê seja contaminado. Também há casos de reinfecção após o tratamento da gestante, já que parcerias sexuais em algumas situações não procuram a UBS para o diagnóstico e tratamento, ou não utilizam o preservativo”, explicou a gerente.
As complicações da sífilis congênita incluem abortamento espontâneo, parto prematuro, malformação do feto, surdez, cegueira, alterações ósseas, deficiência mental e mesmo morte ao nascer. Na maioria dos casos, os bebês não apresentam sintomas no nascimento, mas as manifestações clínicas podem surgir nos primeiros três meses, durante ou após os dois anos de vida da criança.
Dados

Mesmo com tratamento simples e de baixo custo, a sífilis é ainda um problema de saúde pública no Brasil, apresentando aumento significativo do número de casos nos últimos cinco anos.

Em 2020, o município de Manaus apresentou taxas de sífilis adquirida e em gestante de 107,5 e 43,4 casos por 100.000/habitantes, respectivamente. Em 2021, as taxas de sífilis adquirida, em gestante e congênita foram de, respectivamente, 148,9 e 53,3 por 100.000/habitantes, e 8,3 por 1.000/nascidos vivos. Na série histórica de 2017 a 2022, Manaus registrou aumento no número de casos de sífilis adquirida até 2019, um decréscimo em 2020 e novo aumento em 2021.

“A sífilis em gestante apresentou, nos dois últimos anos, aumento no número de casos. Um dos fatores que contribui para a detecção de mais casos novos é o cumprimento do protocolo da realização de dois exames de sífilis no pré-natal. Como consequência, os casos de sífilis congênita em Manaus têm apresentado decréscimo, reflexo do aumento na oferta de exames, cobertura e qualificação da atenção no pré-natal”, informou Cláudia.
Em 2021, Manaus registrou 3.345 casos de sífilis adquirida, 1.856 de sífilis em gestantes e 304 casos de sífilis congênita. Este ano, até 31 de julho, o município notificou 2.345 casos de sífilis adquirida, 1.089 registros de sífilis em gestantes e 199 casos de sífilis congênita.
A sífilis é causada pelo Treponema pallidum, e pode ser transmitida por meio da relação sexual (adquirida ou em gestantes) ou da transmissão vertical, da mãe para o feto (congênita). “As três formas podem ser evitadas, sendo que a sífilis congênita pode ser prevenida com diagnóstico precoce da doença na gestante, tratamento adequado e em tempo oportuno”, reforçou Cláudia Rolim.
Durante a campanha, as unidades de saúde irão desenvolver atividades educativas em sala de espera, escolas, igrejas e associações comunitárias, além de intensificar a oferta de teste rápido e a distribuição de preservativos. Cada Distrito de Saúde também vai promover um Dia “D”, durante o mês de outubro, para alertar a população sobre a doença.

Post Relacionado

‘Viiixe Manaus’: tudo pronto para o maior festival de forró e piseiro do Brasil

Victória Farias

A pedido da Ageman, irregularidades do Zona Azul agora podem ser resolvidas com os monitores

Victória Farias

Prefeitura de Manaus monta operação de ajuda humanitária ao Rio Grande do Sul e recebe doação de água

blitzamazonico