Blitz Amazônico
Artigo & Opinião

Opinião – Vale a renúncia? – por *Carlos Gomes, co-fundador da Vennx e especialista em GRC(Governança, Riscos e Compliance)

*Carlos Gomes, co-fundador da Vennx e especialista em GRC (Governança, Riscos e Compliance)

Diversos setores da economia ficaram surpresos com um anúncio vindo de uma das maiores mineradoras do mundo, a Vale. Um experiente conselheiro, com passagens por Fibria, Algar, Ypê e Santander, publicou uma carta renunciando sua posição no Conselho de Administração da Mineradora. Não se trata de qualquer organização. É a Vale.

Vale lembrar que, em 2021, José Eduardo Penido venceu disputa para assumir uma cadeira como membro independente do Conselho de Administração da Vale com nada menos do que o ex-Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. Olhando por esse lado, foi uma conquista de peso.

Até aqui, a imprensa deu bastante destaque às ‘denúncias’ feitas por Penido. No entanto, tudo indicava que outros aspectos tomarão conta do debate envolvendo governança corporativa e a influência estatal nas empresas.

Embora tenha criticado o processo de sucessão do Presidente, em 30 de novembro, o próprio Penido votou a favor da revisão da “Política de sucessão do presidente”, documento que vigorava desde 2018. A princípio, nada indica que houve quebra das regras da Política. Não há fato relevante publicado ou ata de reunião pública que corrobore com isso.

Houve muita atenção às acusações de influência dos acionistas da Vale na escolha do Presidente. Teoricamente, essa influência é comum, exceto numa Corporation. Numa empresa sem controlador majoritário, isto é, numa Corporation, o esperado é que o Conselho de Administração faça valer critérios objetivos e 100% voltados ao benefício da Corporação e, consequentemente, do conjunto fragmentado de acionistas que formam a maioria dos votos.

Em 2017, após o vencimento do acordo de acionistas que tornava a Vale uma empresa privada, o processo de privatização foi efetivado e a mineradora se tornou uma Corporation. A maioria de suas ações estava em free float ou com acionistas com participação inferior a 5%. Mesmo as Golden Shares, que são direitos mantidos pelo Governo Federal, não atribuem poder para que haja influência estatal na escolha do Presidente da Companhia.

Por fim, a pergunta é se a Vale já se preocupava com a possibilidade desse tipo de influência, que no passado pautou as escolhas de Roger Agnelli e Murilo Ferreira na direção da Companhia. E a resposta é ‘sim’. Em 2022, em seu último relatório 20-F (principal documento publicado por uma empresa brasileira listada em bolsas norte-americanas), a Vale reportou ao mercado sua preocupação com esse tipo de influência.

Informações de fontes internas, no entanto, dão conta de que aparentemente nada está sendo feito para combater esse risco, exceto o próprio processo de gestão da crise que a renúncia gerou. O que nos resta é acompanhar os próximos episódios desta briga. E aí, realmente valeu a renúncia ou há mais coisas para serem ditas?

(*) Carlos Gomes atua, há quase 15 anos, diretamente com gestão de riscos e governança corporativa, tendo ocupado posições de executivo na Deloitte e na BDO, atendendo clientes como Petrobras, Vale, Michelin, Eletrobras e outras blue ships. Gomes é Advisor e Researcher em GRC (Governança, Riscos e Compliance) na Vennx, uma startup de GRC da qual é co-fundador.

Post Relacionado

18 de outubro – Dia do Médico: qual a importância desta data para a sociedade?

victoria Farias

Jornada de Foguetes impulsiona a ciência entre estudantes

blitzamazonico

“Am Yisrael Chai” — O Povo de Israel Vive, por André Naves

blitzamazonico